SEMINÁRIO LIFE RESILIENCE

Nutriprado reuniu investigadores e agricultores para debater programa Life Resilience

A empresa Nutriprado, do empresário elvense Vasco Abreu, promoveu em Elvas esta terça feira, 29 de março, um Seminário, em parceria com a Life Resilience, em território nacional. 

 

 

O encontro que reuniu investigadores, académicos, técnicos do programa, agricultores e empresários do setor decorreu no Forte da Graça.

 

 

O anfitrião Vasco Abreu, em representação da Nutriprado deu início aos trabalhos de apresentação, reflexão e debate sobre o tema da implementação do Projeto Life Resilience, que se dedica à prevenção da Xylella Fastidiosa em plantações intensivas de azeitona e amêndoa aplicando práticas produtivas de agricultura verde. 

 

 

Dr.ª Olga Martins, Diretora Regional da Conservação da Natureza e Florestas do Alentejo, considerou que é “importante o combate desta praga, tanto na agricultura como na floresta”, uma vez que afeta de igual modo ambas.

 “Uma das doenças mais preocupantes”

 

 

Por sua vez, Prof. Dr. José Calado, Diretor Regional da Agricultura, revelou que a xylella é “uma das doenças mais preocupantes, obrigando à adoção de medidas preventivas”, acrescentando que é necessário “identificar e parar o problema, até porque falamos de uma bactéria que facilmente se expande , sendo extremamente difícil de controlar”.   

A bactéria foi encontrada em lavanda em Portugal no início de 2019 e coloca em risco a produção de azeite do Alentejo, uma vez que afeta de forma drástica as oliveiras. 

 

 

Em Portugal, a xylella já foi identificada no norte do país e algarve, sendo que a mesma tem particular disposição para as zonas próximas do mediterrâneo.   

Paula Calado, vereadora na Câmara Municipal de Elvas, elogiou a iniciativa desenvolvida pela empresa Nutriprado, que juntou esta diversidade de interlocutores para debaterem um tema de suma importância para o setor primário, como é o caso da implantação do programa Life Resilience.    

A mesma responsável aproveitou a ocasião para anunciar que Elvas receberá, ainda este ano, uma visita de empresários catalães e realizará uma Feira da Agricultura. 

 

 

Prof. Dr. Pedro Fevereiro, diretor executivo do InPP – Innov Plant Protect, foi perentório ao afirmar perante a plateia que a praga da Xilella fastidiosa “vai naturalmente estabelecer-se nas culturas em território nacional” e, desta forma, o instituto que representa encontra-se neste momento a estudar possibilidades e formas de controlo da praga.  

  “Bactéria põe em risco olivais centenários” 

 

 

José Maria Falcão, em representação da Associação Interprofissional da Fileira Olivícola e da Azeitonices, considerou de extrema importância o programa Life Resilience que está a ser desenvolvido nos campos, como forma de entender, avaliar, prevenir e, se necessário, combater esta bactéria que põe em risco a continuidade de olivais centenários. Contudo, o mesmo responsável defendeu que o período de implantação do programa (quatro anos) é curto para testar a sua verdadeira eficácia. 

 

  A Digitalização nas Práticas Sustentáveis no Olival e Amendoal

 

 

Jorge Blanco, da Greenfield Technologies, chamou a atenção neste seminário para o recurso das novas tecnologias no combate e prevenção desta bactéria, defendendo que a digitalização da agricultura contribui para a automação, para alcançar mais eficácia, planeamento, decisão e controlo das culturas.  

“A digitalização do setor permite a redução de custos, através da eficiência dos sistemas de produção”, reforçou.  

No acaso em concreto da bactéria xylella fastidiosa, o recurso a estas tecnologias permite a “digitalização da produção, informação e análise dos parâmetros de cultura”. 

No âmbito do projeto Life Resilience, as ações de digitalização desenvolvidas são: zoneamento do solo de cultivo; uso de drones de câmara térmica; índices de vegetação com imagens de satélite; API do clima e plataforma de visualização GIS. 

 

  Enrelvamento na entrelinha – Nutriprado 

 

 

Vasco Abreu, em representação da Nutriprado, empresa que vem implementando no terreno junto dos empresários agrícolas o programa Life Resilience, falou sobre o enrelvamento na entrelinha.   

Vasco Abreu destacou o significado da palavra resiliência no contexto da praga da xylela fastidiosa e o papel deste projeto em encontrar soluções sustentáveis para reduzir a capacidade de transmissibilidade da bactéria. 

 

 

O empresário lembrou ainda as boas práticas a ter em conta para melhorar a entrelinha, como as análises do solo, a pluviosidade, as alterações climáticas, a seleção das espécies, a biodiversidade e flora espontânea.

A gestão dos solos é um contributo relevante, nomeadamente a nível as coberturas vegetais e corredores ecológicos nas plantações. Entre as variedades mais eficazes para combater bactérias e fungos contam-se as misturas à base de leguminosas.

 

  Mais e melhor assessoramento 

 

 

José Carlos Caballero, responsável técnico do departamento de projetos da ASAJA, sublinhou o papel das associações, instituições e cooperativas no projeto Life Resilience, defendendo que o papel das mesmas passa sobretudo pela assessoria e transmissão de informação relevante aos agentes do setor.   

 

  A importância do Equilíbrio dos Ecossistemas

 

 

Filipa Tereso abordou o tema da biodiversidade funcional como ferramenta de limitação natural de pragas, reforçando a importância da fauna auxiliar (tipo de insetos) que devem povoar uma plantação para minimizar o impacto de doenças e potenciar o equilíbrio dos ecossistemas.     

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *